AS MARCAS DE JESUS NA VIDA DAS PESSOAS

Mariano B. Marques

Acho extraordinário o registro que o evangelista Mateus faz sobre o momento da crucificação de Cristo. Ele escreve:

“E o centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto, e as coisas que haviam sucedido, tiveram grande temor, e disseram: “Verdadeiramente este era Filho de Deus”. Mateus 27:54.

Ali estava Jesus crucificado aos olhos da multidão. Polêmico em sua época, confrontava os intocáveis mestres judaicos  com um ensinamento novo e revolucionário. Tinha consciência plena da sua identidade:  o Filho de Deus.  Caráter íntegro,  palavras tocantes e cheias da sabedoria divina.  Seu interesse supremo era  fazer a vontade do seu Pai celestial. Comia e bebia com pecadores, porém influenciava ao invés de ser influenciado. O seu papel era semelhante ao do fermento na massa: levedar. Mas levedar com  a justiça, a verdade divina, o amor de Deus, a solidariedade e a fraternidade entre as pessoas.

 Jesus de Nazaré era um homem que sempre fazia a diferença, estivesse ele no templo, na sinagoga, na praça, ou no meio das autoridades. Impressionava as pessoas com as suas palavras, os seus discursos e as suas ações. Observar sua vida, ouvir seus ensinamentos, presenciar seus milagres ou apenas ouvir falar dele atraía multidões, ao mesmo tempo em que enfurecia, por inveja, os respeitados líderes religiosos de sua nação.

 Ele tinha amigos leais e dedicados. Muitos o amavam e o acolhiam em suas casas. Mas também tinha  inimigos ferozes. Esses o odiavam e o repeliam.  Ao Mestre não interessava ter uma posição politicamente correta no meio do seu povo, nem perante os detentores do poder, fosse ele o religioso ou o político.

 Sendo ele o  Filho de Deus,  como se declarava, tinha impressas no seu caráter e na sua natureza as marcas eternas do caráter do Pai. Por isso, se parecia com o Pai. E se parecia tanto que chegou a dizer:  “Quem me vê, vê o Pai.” João 14.9. Claro, ele não se referia à identidade física com o Pai, mas, sim ao caráter santo e à divindade, embora essa estivesse oculta pela sua humanidade.

 O evangelista João, divinamente inspirado, se refere, logo no início do seu evangelho,  à dimensão transcendental desse homem chamado Jesus: “ No princípio era aquele que é a Palavra. Ele estava com Deus, e era Deus“. João 1:1. E acrescenta: ” Aquele que é a Palavra tornou-se carne e viveu entre nós. Vimos a sua glória, glória como do Unigênito vindo do Pai, cheio de graça e de verdade“. João 1:14

 Prefiro deixar que os teólogos queimem seus neurônios estudando e tentando entender e explicar esse mistério de a Palavra  estar com Deus e ser Deus. E mais difícil ainda de entender e explicar racionalmente é como foi possível  esse Deus-Palavra ou essa Palavra-Deus  se humanizar e viver em carne e osso entre nós pecadores.

Para mim,  não preciso entender claramente como isso foi possível.   Acredito plenamente que a Bíblia é a Palavra de Deus revelada a nós humanos. Portanto, se ela diz que esse fato  aconteceu, é o suficiente. Já passei quase nove  anos em bancos de faculdades, sou apaixonado pelo saber e pela verdade, mas  não preciso de provas científicas para crer no que a Bíblia diz. Prefiro fundamentar a minha fé na Palavra de Deus,  a fazê-lo na racionalidade humana. E seria um louco se fizesse o contrário.

 Quanto ao homem Jesus de Nazaré, todo mundo parece concordar que ele  deu atenção aos alienados da sociedade, como é o caso dos dez leprosos e do mendigo Bartimeu.   Curou cegos,  mudos e paralíticos.  Libertou pessoas do poder dos espíritos malignos. Ressuscitou  mortos e consolou corações feridos. Mas não só isso.  Ele plantou fé, esperança e vida nas pessoas que acreditavam nele e o procuravam por socorro. Por fim, morreu crucificado. Porém, foi ressuscitado em glória pelo poder do seu Pai celestial. E depois, na presença de centenas de pessoas, foi elevado aos céus. E garantiu retornar no tempo divinamente determinado.

 Jesus deixou marcas abençoadoras e inapagáveis na vida dos seus amigos, daqueles que o amavam. Também na vida das pessoas que foram por ele curadas, libertas e receberam de volta os seus mortos. Por exemplo,  Bartimeu, diria: “...eu era cego e agora vejo! “. João 9:25

 No entanto, que marcas deixou Jesus na vida, na memória das pessoas que, de alguma forma, participaram da sua crucificação?  Muitas. Veja, por exemplo, os soldados romanos que o crucificaram por ordem das autoridades. Quando o viram expirar  disseram: “Realmente este homem era o Filho de Deus! ” . Marcos 15:39.

Até o final de suas vidas, como poderiam esses soldados esquecer a cena da crucificação de Jesus? E Pilatos, será que conseguiu apagar de sua memória a cena do julgamento daquele justo e de sua conseqüente condenação a pedido da multidão insana gritando: “Crucifica-o!”, “Crucifica-o!”? Acredito firmemente que não.

Neste momento em que você está lendo este texto, mais de dois bilhões de pessoas têm em suas vidas as marcas de Jesus. Uns eram drogados, agora são livres do vício. Outros eram criminosos, agora são cidadãos de vida correta, honrada. Outros vivam embriagados nas ruas, sem lar, sem trabalho, sem dinheiro, sem dignidade, hoje vivem dignamente em todos os sentidos. Outros iam se suicidar, hoje têm felicidade em viver. Outros se prostituíam, hoje trilham um novo caminho.

É quase interminável a lista daqueles que crêem em Jesus,  arrependeram-se dos seus pecados e  vivem  cheios do Espírito Santo desfrutando de uma vida de comunhão com Deus. Essas pessoas  experimentam um tipo de vida que jamais pensaram existir: a vida abundante em Cristo. Ela não consiste nos bens que temos ou que deixamos de ter, e, sim, no relacionamento de amizade íntima com o Cristo glorificado por intermédio do Espírito Santo.

 Essa vida abundante que podemos ter em Cristo é interna, no espírito, na alma. Ele a concede a qualquer pessoa que crê nele. Mas ele definiu com precisão esse “crer”: de acordo com o que a Palavra de Deus diz e ensina sobre ele:  “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva“. João 7.38.  A expressão “rios de águas vivas” é uma referência à vida interior cheia do Espírito Santo. É o tipo de vida na qual a alegria interior transborda, jorra de dentro para fora, inunda a pessoa como se fossem rios vigorosos de águas correntes fluindo de dentro para fora.

E é para esse tipo de vida que Jesus chama você. Então, venha correndo, agora mesmo. Eu vivo isso há mais de quarenta anos.  É  maravilhoso! Não há palavras humanas que possam descrever. Só experimentando. Se você ainda não desfruta dessa vida feliz e maravilhosa, arrependa-se dos seus pecados e aceite Jesus Cristo como o seu Salvador e Senhor. Ou, se gostaria de entender melhor o que Jesus lhe oferece, procure uma boa igreja evangélica para ouvir mais sobre o que ele proporciona às pessoas que crêem nele de todo o coração,  abandonam sua vida pecaminosa e o obedecem.  Vale a pena. Por que não experimenta?

Se sua fé é suficiente, peça a Jesus Cristo que perdoe todos os seus pecados agora mesmo e tome a decisão de viver, pela graça de Deus, essa nova vida que ele oferece a tantos quantos a queiram. Em seguida, procure uma boa igreja evangélica para começar a aprender a viver essa nova e gloriosa aventura espiritual. E ele começará a produzir em você também as marcas do amor dele.

Deus abençoe você.

Licença Creative Commons
AS MARCAS DE JESUS NA VIDA DAS PESSOAS de Mariano Barroso Marques é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.
Publicado em  www.marianobmarques.wordpress.com.

10 respostas em “AS MARCAS DE JESUS NA VIDA DAS PESSOAS

  1. Parabens meu querido tio pelo texto que o Senhr Jesus te einspirou, amei, faço um programa evangelístico de rádio e gosto de usar seus textos como base para ensinamentos. Deus continue abençoando seu ministério. abraços

    • Maravilha, Josué! Fico muito contente por saber que vc está usando meus textos no seu programa de rádio. Muito bom mesmo! Gostei muito de saber disso. Grande abraço.

  2. Oi, Graça paz que Deus te abençõe para que o reino de Deus seja divulgado a todas as nações.

  3. Pastor Mariano, o que me encanta nas marcas de Jesus é que elas são hereditárias e transmitidas pelo sangue que Ele verteu na cruz. Assim como suas marcas refletem o caráter do Pai e o identifica como Seu Filho, nós, por conseguinte, devemos refletir as marcas de Cristo no nosso caráter. Somente dessa forma seremos identificados como verdadeiros filhos de Deus, cujo irmão mais velho é o nosso exemplo por excelência!!!

    Deus o abençoe

  4. O que eu posso imaginar deste texto mariano è que Jesus Cristo tinha um proposito e nada o fez desistir de chegar ate a cruz e com isso salvar a humanidade. E a cada dia me apaixono mais ainda por Jesus Cristo. um abraço e valeu mariano.

  5. MARIANO , MEDITAR SOBRE A PESSOA DE JESUS CRISTO ELEVA A NOSSA ALMA AS ALTURAS SUBLIMES. GOSTEI MUITO DO TEXTO
    DEUS TE ABENÇÕE.

Os comentários estão desativados.