DUELO DE MENDIGOS

Mariano B. Marques

Agitada São Paulo, ao cair da tarde. Rua Ana Cintra, Largo da Estação do metrô Santa Cecília.

Meio perdido, já cansado de procurar o prédio onde estava hospedado, ando sem rumo certo nas imediações.

Num instante, uma cena curiosa me faz parar e a todos que passam por ali: um duelo de mendigos.

O mais velho, de barba crescida e em sujos farrapos, deitado de costas à beira da calçada, coloca na boca, com mãos trêmulas, alguma coisa parecida não sei com quê, mas é comida.

O mais jovem, de pé, em trajos semelhantes, apoiando-se numa muleta velha, chuta, com os pés sujos e calçados com um desgastado par de havaianas, o quase ancião. Vários golpes no corpo e, depois, com olhar de general conquistador, pisa o peito do adversário com o pé direito. Em seguida, num gesto rápido, golpeia com a muleta a cabeça do oponente quase vencido.

O caldo começa a engrossar, e a galera corre para ver mais de perto – e eu também.
Irrequieta e gesticulando muito, uma madame grita do décimo andar do prédio em frente:

-Oh, homem!…Oh mendigo!…Ei!…

Lá de cima, queria parar a briga, mas o pau tá que quebra cá em baixo.
Atenção!… O mais velho segura firme a muleta do seu agressor e consegue soltar-se. Num movimento ligeiro, embora lento para uma pessoa saudável, agarra a perna do agressor e o joga no chão. Este cai de pernas pro ar, como um boneco de pano. Por pouco não bate a cabeça no meio fio.

Possegue a refrega, e a torcida vibra…

Satisfeita do espetáculo gratuito, a platéia intervém para separar os contendores no ringue improvisado. Cada um para um lado, resmungando furioso. Aos poucos, as coisas se acalmam.

Enquanto a briga rolava, eu me perguntava pensativo: Por que brigam esses dois homens? Pelo que se digladiam? Por que a muleta que sustenta o corpo débil e desnutrido é agora a arma empunhada sem dó? E – pasmem – encontrei a resposta:brigam porque são humanos.

Mesmo na extrema pobreza, brigam pelo poder de um sobre o outro. Brigam pelo domínio do espaço onde pisa o solado dos pés. Brigam pelo pedaço de pão que não conseguem compartilhar. Brigam por não conseguirem tolerar o outro. Enfim, brigam pelas mesmas razões pelas quais você e eu brigamos com outras pessoas em situações semelhantes.

Que tal pensar sobre isso?

Deus abençoe você.

Crédito da imagem: opalcosantista.wordpress.com

5 respostas em “DUELO DE MENDIGOS

  1. Muito interessante isso que vc escreveu. Talvez seja por isso que o Senhor nos ensina a amar nossos semelhantes, não é? Porque assim não precisamos suportar. E fica leve partilhar do que temos.

  2. Muit bom Mariano. Fez-me relembrar o versiculo que diz: “Porque todos pecaram e destituidos estao da Gloria de Deus”.
    Um grande a braco e que Deus continue usando voce para Sua Gloria.
    Elzi

  3. Puxa, realmente a condicao de pecador, distante da graca de Deus, nao e privilegio de algum, mas e o mal que esta em todos os seres humano. Iguais diante de Deus: amados por Ele, massssssssss pecadores.,

Os comentários estão desativados.