A HUMILDADE DE DEUS

Mariano  B.Marques

  Ao longo de mais quatro décadas de caminhada na vida e ministério cristãos,  já ouvi dezenas, e talvez centenas de preleções sobre Deus.

Porém, em nenhum púlpito ou classe de Escola Dominical ouvi alguém pregar ou ensinar sobre a humildade de Deus.

Estudando a  Bíblia,  entendi que Deus é humilde, divinamente humilde. A humildade faz parte  da sua natureza assim como amor e a pureza moral.

Curiosamente, a ideia de que Deus é humilde nos soa pouco familiar, especialmente porque a imagem mental mais comum que temos Dele é a de Senhor Todo-Poderoso. E, na nossa maneira de ver o mundo e a vida, ser todo-poderoso e ser  humilde são coisas contraditórias.

E pensamos assim pelo fato de associarmos a ideia de poder absoluto à de domínio,  opressão e soberba.  Herdamos esse conceito da história  das civilizações.

Mas a verdade bíblica é que Deus, o Todo-Poderoso, é humilde em sua natureza. Evitamos ensinar isso nas nossas igrejas pelo receio de que seja interpretado como heresia. Porém, a Bíblia está cheia de evidências eloquentíssimas e cristalinas da humildade de Deus.

Dos livros Gênesis ao Apocalipse, basta ler com atenção para perceber a saga humilde e persistente de Deus em busca do homem, desde o Éden.

A despeito de o homem ser pecador e rebelde, Deus nunca desistiu dele. Ao invés disso,  o comportamento de Deus, ao longo de toda a Bíblia, é o de um amante apaixonado em busca do ser amado, querendo sempre trazê-lo de volta à amizade e comunhão com Ele.

Os livros proféticos estão cheios dos insistentes apelos de Deus chamando o seu povo de volta para Ele. Em determinados momentos, Deus literalmente implora por essa volta. E o seu longânimo apelo de amor   chega, milhões de vezes,  a ouvidos surdos e mentes indiferentes a Ele.

Temos um exemplo precioso da humildade de Deus no Salmo 23, no qual Jeová é o Senhor – ou seja aquele que é proprietário do servo e de todas as coisas – e, ao mesmo tempo, é o pastor desse servo, tratando-o como sua ovelha, cuidando, guiando  e suprindo as necessidades dessa ovelha com todo o carinho.

No salmo 23, Deus é  o Senhor Todo-Poderoso e ao mesmo tempo o Pastor humilde e zeloso. E isso é simplesmente lindo! É o tipo de humildade que está além da nossa compreensão.

No Evangelho segundo João, capítulo 13, versos 4 e 5, Jesus, embora sendo o Mestre e o Senhor dos discípulos, procede como se fosse servo deles: “ (Jesus) levantando-se da ceia, tirou a vestimenta de cima e, tomando uma toalha, cingiu-se com ela. Depois,  colocou água na bacia e passou a lavar os pés aos discípulos e a enxugá-los com a toalha com a qual  estava cingido.

 João, inspirado pelo Espírito Santo, escreve, no início do seu evangelho, que o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai (Jo 14.6).

Veja bem, ser Deus e fazer-se carne, isto é, fazer-se ser humano e assumir as limitações dessa humanidade na pessoa do seu Filho, inclusive a mortalidade temporária,  implica incompreensível humildade da parte de Deus.

O apóstolo Paulo, iluminado pelo Espírito Santo, percebeu com absoluta clareza a humildade de Deus na pessoa do Filho, e escreveu aos cristãos filipenses:

Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus,que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens. E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até à morte, e morte de cruz! (Filipenses, 5.7).

Que insondável humildade!…Como pode ser Deus tão humilde? Sem dúvida, isso vai muito além da nossa limitada compreensão humana.

Observe que o Filho de Deus declarou: …sou manso e humilde de coração. A mansidão e a humildade do Filho refletem a mansidão e a humildade do Pai. Jesus afirmou: Eu e o Pai somos um (João 10.30). E que virtude, se não a humildade de espírito, levaria Jesus e orar na cruz: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem (Lc 23.34).

O apóstolo Paulo, na sua epístola aos efésios, nos ensina  com ardor de espírito a sermos imitadores de Deus. Ele escreve: … sejam imitadores de Deus, como filhos amados, e vivam em amor, como também Cristo nos amou e se entregou por nós como oferta e sacrifício de aroma agradável a Deus. Efésios 5:1-2

Imitar a Deus, entre outras coisas,  tem tudo a ver com a nossa  atitude interior no lidar com os conflitos relacionais entre nós e nosso cônjuge, filhos, pais, parentes, colegas de trabalho, de faculdade…e assim por diante.

E o ensino do Espírito Santo para mim e você, salvos do poder do pecado, do diabo e do inferno e inseridos na família de Deus é …sejam imitadores de Deus, como filhos amados (Efésios 5:1)

Então, se não estamos imitando nosso Pai Todo-Poderoso e Humilde, a quem estamos imitando? Pense nisso.

Deus abençoe você.

Uma resposta em “A HUMILDADE DE DEUS

Os comentários estão desativados.