MEUS DEUS, QUE LÁSTIMA!

Mariano B. Marques

Nestes tempos chamados de pós-modernos, será que ainda há o temor de Deus no  coração de muitos  de nós, líderes cristãos?

 Para muitos líderes de igrejas da atualidade, é ultrapassada, retrógrada,  gente que ainda acredita em princípios bíblicos para a vida, como, por exemplo, a integridade. Para eles, a Bíblia é um instrumento místico  poderoso usado, em nome de Deus,  para manipular pessoas crédulas e carregadas de necessidades físicas, emocionais, financeiras e espirituais.

 O Filho de Deus dando sua vida na cruz para salvar os pecadores  do poder do pecado, do diabo e do inferno deixou de fazer sentido na mensagem  de uma avalanche de pregadores atuais. Também, o ensino bíblico sobre a vida cristã autêntica.

  Para milhares de  líderes de igrejas,  é conveniente apresentar aos ouvintes um Cristo cheio de glória e poder para os encher das riquezas  e conquistas terrenas. E  levá-los a viver uma espécie de sonho anestesiante na esperança, geralmente estéril, de receber muitas vezes multiplicado o valor das suas contribuições financeiras.

 E para darem esses líderes credibilidade a esse evangelho de prosperidade, há aqueles  que vivem de maneira suntuosa: carros caríssimos, residências e vida de alto padrão.

 Mas o pior de tudo é muitos desses líderes, geralmente geniais,  exigirem  dos seus seguidores ser tratados como “anjos da igreja”, “ungidos do Senhor” e serem vistos por suas igrejas como semideuses, intocáveis, inquestionáveis.  Novamente, que lástima!

 Na  fé e na  pregação de muita gente,   já não há lugar para o sofrimento, essa realidade natural e inevitável da condição humana. O que impera é  a ideia de vida regalada e paradisíaca.  Encorajam-se os liderados a buscar os tesouros terrenos, mas longe de se dar essa ênfase à busca dos tesouros da vida autêntica em Cristo, dos tesouros celestiais e eternos.

 Uma das características marcantes da pós-modernidade é o evangelho do pastor empresário, político, rico e, em certos casos, milionário.  É o evangelho capitalista, materialista, humanista, no qual não existe pecado, inferno, nem céu depois desta vida.

Na minha opinião,  o evangelho de prosperidade que eles pregam e ensinam só enriquece de verdade a eles próprios.

 No passado, os pastores das igrejas eram, quase sempre, homens dignos de serem imitados por aqueles que queriam reproduzir, em suas vidas, o caráter santo e íntegro de Cristo. Homens de uma única vocação e de uma única devoção: pastorear a igreja de seu Senhor, Jesus Cristo. Graças a Deus, ainda hoje temos milhares e milhares de servos de Deus desse alto quilate moral, ético e espiritual. Homens dos quais o mundo não é digno.  E devemos reverenciá-los, honrá-los e imitá-los na sua maneira de viver.

Mas nas últimas décadas, se levantou uma geração de líderes a respeito dos quais devemos orar a Deus que nos guarde de imitar e seguir, embora milhares ou milhões o façam. Homens de múltiplas vocações e múltiplas devoções. Geralmente,  homens inteligentes, cultos, grandes oradores e manipuladores extraordinários.

 A verdade é que esses líderes continuarão a reinar absolutos sobre o povo e a fazenda de Deus  sob sua liderança.  A vontade e a palavra deles são soberanas e inquestionáveis para os seus seguidores devido ao título que ostentam de  “ungidos do Senhor”.  Mas isso só durará até o dia em que o Soberano Juiz e Senhor de toda a terra os chamar à sua presença para a prestação de contas. E isso pode tardar, mas é absolutamente certo.

Quanto a você e a mim, sejamos fiéis, em tudo, ao nosso amado Senhor e Salvador Jesus Cristo todos os dias da nossa vida até que Ele volte ou passemos para Ele.

Deus abençoe você.

15 respostas em “MEUS DEUS, QUE LÁSTIMA!

    • Muito interessante seu artigo. Eu imaginei que essa geração seria bem assim como você descreveu, Deus tem te usado pra muita gente com seu artigo.
      Por que você não faz um artigo ou um pesamento com seu saudoso pai? ele era muito feliz .Deus te abençoe. Amo os seus artigos e pensamento, gosto muito de lê os pensamento, sempre edifica.

  1. Excelente comentário. Bom seria que as lideranças convencionais desenvolvesse um trabalho
    mais prestativo e mais democratizados entre as igrejas a elas ligadas, respeitando opiniões e
    levando em consideração algumas situações apresentadas por obreiros subordinados em suas igrejas locais,acerca de seus respectivos pastores presidentes. Isto com certeza evitaria muitas percas que a igreja do Senhor tem sofrido, como: divisões, crentes fracos desviando devido os escândalos de lideres irresponsáveis, poucas conversões, etc.

  2. Muito bom!!! Creio que todos nós devemos fazer reflexões. Que tipo de cristão estou sendo? Tenho agradado a Deus dessa forma? Assim também deve acontecer com nossos líderes… tantas coisas a serem ensinadas… e tantas coisas deixadas de lado!

  3. Muito bom irmão Mariano, o senhor é uma voz profética para estes tempos, me alegro em ver como Deus lhe está usando para expressar muitas verdades e ensinos profundos ao mundo inteiro através deste meio de comunicação. Um grande abraço.

  4. Mariano,
    Apesar dos tantos obreiros adeptos ao evangelho da prosperidade, como você citou em seu texto, o Senhor tem reservado muitos outros fiéis a Ele, que fazem a diferença no mundo. Sua bordagem foi muito feliz, pois adverte os desavisados, que por ignorância ou pelas facilidades que encontram nas promessas do evangelho da prosperidade, a buscarem o genuíno evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, que, embora fosse rico, abriu mão de toda a Sua glória para mostrar que a vida aqui deve ser pautada em inteira humildade e serviço ao próximo.
    Gaspar

  5. Homem, esta é uma realidade aviltante, ela se constrói assim: Se voce quer ser “próspero, invista em mim e o meu “deus” vai te enriquecer”. É o ambicioso, explorando a ambição do outro, só que no final, só um enriquece. É a velha pirâmide financeira!

Os comentários estão desativados.