O QUE DEUS É PARA VOCÊ?

Pr. Mariano Marques

O Senhor é o meu pastor, nada me faltará”  (Sl 23.1)

O Salmo 23 é o maior poema de amor que um homem já escreveu para Deus. Foi escrito por Davi. O nome Davi significa “amado”. E o Salmo expressa o tipo de relacionamento que Davi tinha com Deus e Deus com Davi.

Davi viveu por volta de 1.000 anos antes de Cristo. Filho de um homem efrateu, de  Belém de Judá, chamado Jessé. O nome da sua mãe não é mencionado na Bíblia. O mais jovem dentre oito irmãos. Pastor de ovelhas, músico, guerreiro,  profeta,  poeta e rei. Considerado o maior rei de Israel e Judá. Um dos personagens centrais da Bíblia. A bênção de Deus estava sobre a sua descendência, e foi da sua descendência que nasceu Jesus Cristo, o Salvador.

A Bíblia se refere a Davi como o homem segundo o coração de Deus. Mas não era homem perfeito, e a Bíblia não esconde o pecado covarde de Davi, na qualidade de rei, com a esposa de um dos seus oficiais mais fiéis chamado Urias. Além de  adulterar com a esposa do seu fiel oficial, ainda armou um plano astuto para que ele fosse morto na guerra.  Aqui você vê que nem mesmo um homem segundo o coração de Deus está imune ao poder do pecado da natureza humana. Deus desaprovou com vigor o pecado de Davi. Davi se arrependeu profundamente, mas Deus não deixou o seu pecado passar em branco. Deus o perdoou, mas o disciplinou, embora com amor. E isso é um das manifestações da graça de Deus no Antigo Testamento. E ainda hoje, quase três mil anos depois de sua morte,  ainda nos referimos a Davi como o homem segundo o coração de Deus.

E aqui duas perguntas:

  1. Por que Deus disse, na juventude de Davi, que ele era um homem segundo o seu coração?
  2. Por que, depois do sério pecado contra Urias e contra Deus, o Senhor nunca disse que Davi não era mais um homem segundo o seu coração?

Se você ler os Salmos com calma e um coração aberto para Deus, você vai encontrar essas respostas. Porque neles, Davi revela o seu coração e o tipo de relacionamento que ele cultivava com Deus e que o tornava um homem segundo o coração de Deus. E é sobre esse tipo de relacionamento que quero refletir com você.

E se você levar a sério os segredos que Davi revela, por inspiração do Espírito Santo, do relacionamento entre ele e Deus e se você colocar essas lições em prática, você também poderá ser uma pessoa segundo o coração de Deus.

Níveis de relacionamento de Davi com Deus no Salmo 23.

Neste Salmo, Davi revela, inspirado pelo  Espírito Santo, três níveis do relacionamento dele com Deus. E em todos esses níveis ele revela que existia entre ele e Deus muita intimidade. E o Espírito Santo nos ensina, neste Salmo, a relação que deve existir entre cada um de nós e Deus hoje, aqui, agora. Nesta mensagem, vou falar do primeiro nível. Compreender esta mensagem e colocá-la em prática vai resultar numa mudança profunda no seu relacionamento com Deus. Portanto, preste muita atenção.

Primeiro nível.

O primeiro  nível de relacionamento  de Davi com Deus não está explícito no texto. Está nas entrelinhas ao longo de todo o Salmo e resumido nas duas primeiras palavras do versículo primeiro. E essas palavras são: “O Senhor”.

Deus é chamado de O Senhor em todo o Antigo Testamento. Ele próprio usa esse nome definindo a si próprio. E as pessoas usavam esse nome, tanto para se referirem a Ele como para se dirigirem a Ele. Havia reverência ao se pronunciar ou escrever esse Nome.

Nós crentes no Senhor Jesus Cristo também nos dirigimos a Deus e o chamamos de Senhor. Mas, o que esse nome significa para nós? Apenas um dos vários nomes de Deus no Antigo Testamento? E quando pronunciamos esse nome, temos consciência clara  do que ele significa? Para muitos de nós, quando chamamos Deus de O Senhor, estamos querendo dizer que Ele é o Senhor de tudo e de todos. Estamos querendo dizer que Ele é o Senhor de toda a Sua criação: dos anjos, arcanjos, serafins, querubins e de todas as criaturas celestiais. Estamos querendo dizer que Ele é o Senhor de tudo o que há na terra e de tudo o que há nos céus. Geralmente, estamos querendo dizer que Ele é o Senhor absoluto de tudo o que existe no mundo visível e do mundo invisível. E para muitos de nós, é só isso o que Deus significa quando o chamamos de Senhor.

Davi também tinha esse conhecimento  e essa consciência da soberania  de Deus sobre o universo e tudo o que Ele criou. Mas não apenas isso. Ele vai além. Quando ele se dirigia a Deus chamando-o de O Senhor, estava querendo dizer muito mais do que simplesmente “Deus é Deus”, ou “Deus é o Senhor de tudo e de todos”. No seu íntimo, no profundo da sua consciência, no profundo do seu entendimento e no profundo da sua inteligência e do seu emocional, estava declarando, de maneira absolutamente verdadeira: “O Senhor é o meu Senhor”. Este é o primeiro nível do relacionamento entre Davi e Deus.  Isso está implícito em todos os seus Salmos. Nessa declaração, Davi expressa não apenas a relação de Deus com o universo e toda a Sua criação. Davi expressa, do mais profundo do seu ser, a relação dele com Deus, o que Deus significa para ele.  Uma relação na qual Deus é o seu Senhor e Davi o seu servo.

Na antiguidade, a melhor figura que define o servo é o escravo. Ele não tinha direitos e nem bens.Ele, sua família e todos os seus bens pertenciam ao seu senhor. Em certas civilizações, não podiam se casar. Noutras, podiam se casar, mas os cônjuges e os filhos podiam ser comprados e vendidos. Algumas civilizações eram mais tolerantes com seus escravos, mas outras eram cruéis e tratavam seus escravos como animais. Ser escravo era a posição mais degradante que um ser humano podia ter na terra. Não era uma escolha, mas uma condição imposta pela força.  Esta é a figura de servo na época de Davi.

Quando Davi expressa “O Senhor é o meu Senhor”, está também declarando a sua condição de servo ou escravo de Deus. Mas nesta relação, a ideia de servo é diferente daquela que as pessoas entendiam.  Para ele, não é  uma condição imposta pela força.  Pelo contrário, é uma   relação na qual ele se doa voluntariamente a  Deus para servi-lo. Uma escolha espontânea motivada por amor a Deus e, não uma imposição.

Nesse tipo de relação, ser servo de Deus é a posição mais honrosa, mais dignificante e mais elevada que uma pessoa pode ocupar na terra. É fazer na terra o que as criaturas celestiais fazem no céu. É participar da corte celestial, embora na condição de mortal vivendo neste mundo. E isso é também pra você e pra mim que cremos no Senhor Jesus Cristo! Você pode dizer amém?

Quando Davi pensa no profundo do seu ser “O Senhor é o meu Senhor”, ele não apenas declara isso de todo o seu coração e de todo o seu entendimento, mas está plenamente consciente do que isso significa de verdade.  Ele aceita e está totalmente comprometido com as implicâncias da sua condição de ser servo de Deus. E aqui estão algumas dessas implicâncias:

Primeira implicância: Deus é o meu Senhor, e eu sou Seu servo. Porque Ele é o meu Senhor, Ele manda em mim. Ele manda em mim porque sou propriedade dele. Ele é o meu dono. Porque Ele é o meu dono, e eu propriedade dele, Ele faz comigo o que Ele quiser. A vontade dele é soberana sobre a minha, e eu quero que seja assim.

E porque   Deus é o meu Senhor, e eu  seu servo, quero espontaneamente obedecê-lo e lhe ser fiel. Quero honrá-lo com a minha vida e tudo e que sou e possuo. A minha liberdade, a minha vontade e tudo o que possuo pertencem a Ele. Ele é o meu dono e dono de todas as coisas que Ele  me deu. Nada é meu, tudo é do Senhor. Sou apenas seu servo, seu mordomo, seu administrador daquilo que Ele, por Sua bondade, colocou  nas minhas mãos.

E aqui, uma pergunta: Você e eu somos servos de Deus? A quem pertence o seu carro popular ou o seu carro de luxo? A quem pertence o seu barraco ou a sua linda casa ou o seu lindo apartamento? A quem pertence a sua empresa ou as suas empresas? A quem pertence o seu salário modesto ou os seus milhares de reais? Pelas leis do nosso país, tudo pertence a você. Mas, nesse tipo de relação com Deus, embora tudo lhe pertença de fato e de direito, você entrega a Deus, no seu íntimo, no profundo do seu ser, o seu direito de propriedade para Ele. Você detém a posse, mas o considera o proprietário daquilo que Ele confiou a você.

Não estou dizendo que você pegue tudo o que possui e entregue para a igreja. Estou falando de uma entrega interior e íntima entre você e Deus. Estou falando de uma entrega interior na qual você o considera o dono de tudo o que você é e possui. Estou falando de uma entrega interior na qual você permanece sensível para entregar de volta  para Ele o que Ele lhe pedir desses bens que já pertencem a Ele.

O Espírito Santo pode impulsionar você   a ministrar  daquilo que Deus lhe deu na vida de uma pessoa necessitada ou numa instituição de pessoas carentes,  na obra de evangelização da sua cidade, do seu Estado, do seu país.  Ou Deus pode impulsionar você a investir dinheiro na obra missionária em outros países, ou em outros projetos da sua igreja. Mas Ele sempre deixará com você a liberdade de decidir. E é nessas decisões interiores que podemos saber que tipo de servos somos, e  se Deus é realmente o nosso Senhor.

Segunda implicância: Deus é o meu Senhor e eu o amo. E o amo com toda a intensidade do meu ser. E porque o amo com intensidade,  quero obedecê-lo, quero fazer a vontade dele, quero me submeter a Ele espontaneamente.  E porque eu o amo, quero lhe ser fiel. Porque Deus é o meu Senhor e eu o amo, eu me santifico para Ele porque Ele é Santo. Porque amo Deus e quero me santificar para Ele, sou seletivo quanto ao que vejo na Internet, às revistas que leio, aos programas de televisão e filmes que assisto e aos tipos de diversões e lugares que freqüento. Porque Deus é o meu Senhor e eu o amo, me empenho para que a minha vida esteja sempre no seu altar e para que a minha casa seja um santuário dele. E porque Deus é o meu Senhor e o meu dono e eu o amo, ofereço a Ele, diariamente, a todo instante, o meu espírito, a minha alma e o meu corpo em sacrifício vivo consagrado a Ele.

E aqui vai uma outra pergunta pra você e pra mim: Você e eu amamos a Deus? Não estou falando amar de palavras, de boca, estou falando de amar de verdade, de amá-lo

com intensidade no mais profundo do nosso ser e de todo o nosso coração, de toda a nossa alma e de todo o nosso entendimento. E este é o mandamento eterno de Deus em Deuteronômio 6.5: Amarás, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.

Quando amamos a Deus, amamos também as pessoas ao nosso redor. Se não amamos outras pessoas, seguramente também não amamos a Deus. Tiago escreve em sua epistola que se você diz que ama a Deus, mas odeia a seu irmão, você está mentindo.

Você sabe por que, em nossas igrejas, precisamos de rifas, festas e almoços missionários para levantar dinheiro para a obra de Deus? É porque o nosso amor por Deus está em baixa. Essas coisas começaram nas Assembléias de Deus no Brasil  há pouco menos de duas décadas. E começou quando o nosso amor por Deus foi esfriando e começamos a nos desviar dele.

Durante mais de 80 anos, nunca fizemos isso. E nunca fizemos porque nunca precisamos. E nunca precisamos porque ardia em cada pessoa o amor por Deus. Nossos corações ardiam de amor pelo Senhor e queríamos servi-lo com o que tínhamos. Quem tinha pouco contribuía com pouco, quem tinha muito contribuía com muito. As pessoas eram fiéis nos dízimos e nas ofertas. Elas queriam participar do trabalho de Deus,  elas pediam para contribuir. Mas, fomos aos poucos nos desviando de Deus,  o fogo do Espírito Santo foi se apagando cada vez mais e o nosso amor foi esfriando.

Mas fomos aos pouco nos tornando carnais e materialistas. E é por isso que precisamos  de um aparelho eletrônico, uma viagem,  um prato de comida, um pedaço de bolo, um copo de canjica para colaborar com alguma migalha para a obra de Deus. Enquanto isso, estamos rodando em bons carros,  morando em casas confortáveis e nossos filhos estudando nas escolas e faculdades mais caras da cidade, freqüentando restaurantes caros  e gastando nosso dinheiro sem limite e sem nenhuma consciência para com Deus e sua obra. Mas para Deus, não temos dinheiro.

E é assim que aos domingos colocamos a nossa boa roupa, pegamos nossos bons carros e vimos para o culto. E aqui cantamos para  Deus dizendo que o amamos. Depois, com a consciência aliviada, voltamos para nossas casas e  vamos assistir, durante toda a semana,  os reality shows  e novelas que  causam náuseas ao Espírito Santo.

Durante a semana,  nos desconectamos de Deus e nos conectamos com o mundo em sua pecaminosidade. E para nós está tudo bem, é a modernidade. Podemos ser modernos, cultos e atualizados sem ser carnais. Podemos ser modernos e manter nossa mente conectada com Deus o tempo todo e a nossa vida no altar dele! Mas Deus sempre tem e sempre terá aqueles que o amam  e querem participar contribuindo liberalmente com a sua obra sem querer nada de volta. Onde está o nosso amor por Deus?  Estamos em pecado e precisamos nos arrepender!

 

Vou lhe fazer algumas perguntas, com muito temor a Deus e amor por você. Deus é o seu Senhor? Você permite que Ele mande na sua vida? Ele é o seu dono, o dono da sua casa, da sua família, do seu carro, da sua empresa, do seu dinheiro? Nas suas decisões e planos, você pergunta para Ele qual é a vontade dele? Você santifica a sua vida, tudo o eu você é e possui a Ele? São perguntas intrigantes e chocantes, mas cada um de nós precisa respondê-las com honestidade.

Neste momento, você e eu estamos na presença de Deus, e nada há que possamos esconder dele. Ele conhece até mesmo nossos pensamentos mais íntimos e sabe o que vamos falar antes que a palavra nos chegue à boca. Portanto, peça ao  Espírito Santo que lhe ajude a ser honesto ou honesta com a sua consciência. Não tente tapear a sua consciência, nem  o Espírito Santo. Isso é inútil e mantém você distante de Deus.

Peço que você curve a sua cabeça comigo. Vamos ter trinta segundos de silêncio. Ninguém converse, ninguém se levante, ninguém olhe para os lados. Feche os seus olhos e concentre o seu pensamento em Deus. Este é um momento entre você e Ele. Neste momento Ele está vendo a sua emoção, as motivações secretas do seu coração. Você está na presença de Deus e Ele bem diante de você. Responda pra você mesmo, pra você mesma na presença dele: “O que realmente é Deus para mim? E o que sou para Ele?

 

Não tenha pressa. Não deixe o seu coração lhe enganar. A Bíblia diz que o nosso coração é enganoso e corrupto.  Peça ao Espírito Santo que desça com você ao mais profundo do seu ser, ao porão da sua alma e da sua consciência e busque lá a resposta verdadeira, aquela que Deus está vendo nas profundezas do seu ser, não aquela que o seu coração lhe sugere. O Espírito Santo vai lhe mostrar a resposta verdadeira a essa pergunta.

(30 segundo de silêncio)

Por favor, levantemos nossas cabeças.

Com toda certeza, temos aqui pessoas inteiramente rendidas e consagradas a Deus, pessoas  que o amam e o servem com gratidão e doam com alegria para o seu reino na terra.  Mas, não todas.

 

Sugiro que você continue refletindo honestamente sobre essa pergunta até o final da mensagem nos próximos dias.  E se você for honesto com você mesmo e com Deus, se você quiser de verdade entrar num novo nível de relacionamento com Ele,  peça  isso para Ele todos os dias, se arrependa da sua resistência a Ele e à Palavra dele e peça perdão para Ele. Deus é rico em misericórdia e está sempre pronto para perdoar quando nos arrependemos de verdade.

Peça a  Ele que produza em você essa relação de servo e Senhor inundada de amor e submissão a Ele.  Com absoluta certeza,  Ele vai fazer isso em você.  Ele vai produzir, pelo Seu Espírito, mudanças profundas no seu interior e um avivamento poderoso no seu relacionamento com Ele.

Se você quer isso de verdade, sugiro que  redefina suas prioridades e abra tempo para Deus na sua agenda lotada. Reserve tempo para estar a sós com Ele em oração e leitura meditativa da Sua Palavra. Ele vai honrar essa sua decisão.  E peça a Ele, todos os dias,  que produza no seu interior amor verdadeiro por Ele e uma mente submissa a Ele. Mas tenha paciência. As mudanças espirituais profundas do nosso ser geralmente acontecem de maneira lenta e contínua. Mas elas acontecem de verdade se as queremos e nos propomos colaborar com o Espírito Santo nesse processo de mudança santificadora.

Por favor, feche os olhos e levante a sua mente para Deus. Concentre-se nele. Não deixe a sua mente escapar. Mantenha a sua mente fixa em Deus. Peço que você repita baixinho para Deus esta oração. Faça dela a sua oração diária. E ore de verdade do fundo do fundo do seu ser.

Deus, por favor, em nome de Jesus, teu Filho amado, produz em mim amor por ti e um espírito quebrantado e submisso. Produz em mim a consciência, tanto na minha mente como no meu emocional, de que tu és o meu Senhor e de que sou teu servo e tua propriedade. Produz em mim sede e fome da Tua presença e da Tua Palavra. Produz em mim o desejo profundo de me santificar a Ti e de oferecer a Ti o meu espírito, a minha alma e o meu corpo como o meu sacrifício vivo de amor e adoração a Ti todos os dias  e todos os momentos. Em nome de Jesus, amém”.

 

Deus abençoe você e lhe encha do Espírito Santo!